Você não está logado
Entrar | Cadastrar

No Jornal Nacional, Jordy diz que Cunha usou "pedalada" para atrasar processo de cassação




Publicado em 28/10/2015

Descrição:

Cunha atrasa processo contra ele mesmo por quebra de decoro

Manobras do presidente da Câmara estão atrasando o andamento dos processos no Conselho de Ética e na corregedoria.

Veja o vídeo

Manobras do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, estão atrasando o andamento dos processos contra ele no Conselho de Ética e na corregedoria. A documentação do Conselho de Ética só foi entregue nesta quarta-feira (28). Foram 15 dias só pra criar um número de protocolo.

O presidente do Conselho de Ética marcou a primeira reunião para terça-feira da semana que vem. Nesse dia, ele vai escolher o relator do caso entre três deputados sorteados. O relator terá dez dias para propor que a investigação siga ou seja arquivada. Se a maioria dos deputados do conselho decidir que o processo deve seguir, Cunha será comunicado para apresentar a defesa.

“O relator tem liberdade para dirigir o processo, ouvir testemunhas, procurar documentos, procurar pessoas que por acaso possam esclarecer dúvidas, entidades, bancos, procurador-geral”, explica o presidente do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA).

Os partidos Rede e PSOL pedem que Eduardo Cunha perca o mandato por ter mentido à CPI da Petrobras. Em março deste ano, ele disse que não tinha contas no exterior. Mas, segundo os ministérios públicos da Suíça e do Brasil, ele e parentes têm contas na Suíça.

O Conselho de Ética tem 90 dias para concluir o processo. O que significa dizer que ele não deve terminar neste ano. A Câmara suspende os trabalhos no fim de dezembro e só volta em fevereiro.

O presidente do Conselho de Ética afirmou que o caso poderia ser concluído neste ano, se a direção da Câmara, comandada por Cunha, não tivesse segurado o processo por 15 dias. Agora, mais uma manobra está atrasando um outro pedido de cassação do mandato de Cunha.

A representação foi apresentada pelo deputado Arnaldo Jordy, do PPS. Como é um pedido individual, tem que passar pela direção da Câmara, que apenas dá um número ao processo e o envia para a corregedoria. Só depois segue para o Conselho de Ética.

Mas a direção decidiu indicar um relator para analisar o pedido antes de enviá-lo à corregedoria.

“Isso é absolutamente inédito, é mais uma pedalada regimental do seu Eduardo Cunha para tentar ganhar tempo”, diz o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA).

Cunha nega a acusação. Disse que tudo está dentro da lei e que a indicação do relator foi do vice-presidente da Câmara, já que ele se sente impedido de opinar no processo. Mas o vice Waldir Maranhão, do PP, também é aliado dele.

“Eu não posso praticar ato ou a meu favor ou desfavor, então todos os processos que estavam pendentes na mesa nós delegamos relatores para a sua admissibilidade”, afirma o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara.







Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 213 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Deixe seu comentário
Bloqueado
É preciso estar logado para deixar um comentário.
Clique aqui, cadastre-se e participe!!


Este conteúdo tem 0 comentário(s)


Programas


PPS Nacional









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação | Hospedagem e Manutenção:Núcleo de Tecnologia do PPS
© Partido Popular Socialista - PPS (2008)