Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Na Folha, Freire defende o impeachment e diz que militar "não pode se meter em política"




Publicado em 01/11/2015

Descrição:

O general na geladeira

Bernardo Mello Franco*

BRASÍLIA - A exoneração do general Antônio Mourão, que fez críticas públicas ao governo, produziu um raro consenso na crise. Políticos da oposição aplaudiram a decisão do ministro da Defesa, Aldo Rebelo, de afastar o oficial que falou demais.

Mourão chefiava o Comando Militar do Sul. Em palestra a oficiais da reserva, disse que a eventual queda da presidente da República significaria o "descarte da incompetência, má gestão e corrupção". Também pregou "o despertar para a luta patriótica", o que na visão dele restabeleceria "o orgulho de ser brasileiro". Depois que as declarações vieram a público, o oficial foi mandado para a geladeira. Passará a cumprir um cargo burocrático em Brasília, a supervisão das finanças dos quartéis.

A Constituição afirma que as Forças Armadas são "organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do presidente da República". O Regulamento Disciplinar do Exército também é claro. Militares da ativa não podem se manifestar sobre "assuntos de natureza político-partidária". A regra existe para manter a ordem na caserna e evitar intromissões na política.

Para o senador Aloysio Nunes, do PSDB, o afastamento do general foi correto. "Fiquei chocado com as declarações dele. Não é esse comportamento que se espera das Forças Armadas de um país democrático." O presidente do PPS, deputado Roberto Freire, concorda. "Defendo o impeachment por via constitucional. Militar não pode se meter em política. Nem a favor nem contra", afirma.

Depois de FHC e Lula, Dilma foi a terceira opositora da ditadura a chegar à Presidência pelo voto. Os militares podem não gostar dela, mas devem respeitar sua autoridade. Quem não estiver de acordo pode pedir transferência para a reserva, onde encontrará os velhos generais do Clube Militar. Desde março, eles tentam matar as saudades de 1964 com uma curiosa "Campanha pela Moralização Nacional", que emite notas furibundas contra o governo.

Jornalista, assina a coluna Brasília. Na Folha, foi correspondente em Londres e editor interino do 'Painel'. Também trabalhou no 'JB' e no 'Globo'. Escreve de terça a sexta e aos domingos.

 







Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 362 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Deixe seu comentário
Bloqueado
É preciso estar logado para deixar um comentário.
Clique aqui, cadastre-se e participe!!


Este conteúdo tem 0 comentário(s)


Programas


PPS Nacional









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação | Hospedagem e Manutenção:Núcleo de Tecnologia do PPS
© Partido Popular Socialista - PPS (2008)